LEITURA,

Leitura - O filho de mil homens

Daniela Filipe Bento Daniela Filipe Bento Seguir 12 de outubro de 2013 · 1 min read
Partilha

Confesso, não conhecia o autor, valter hugo mãe, quando comecei a ler O filho de mil homens, não sabia o que esperava. Após ler algumas páginas decidi procurar mais alguma informação sobre o autor e reparei que tem recebido críticas muito positivas e apaixonantes sobre a sua escrita.

Acabei a ler com bastante entusiasmo, procurando o fim do livro a cada momento para começar, certamente, um próximo. A leitura é apaixonante. A prosa poética é magnífica, um estilo que não tenho visto em livros de autores portugueses actuais.

“Para ser o dobro, disse ele, era para ser o dobro e em dobro ter o que fazer da vida e ter o que deixar ao filho”.

O autor conta-nos a história de Crisóstomo, “Um homem que chegou aos quarenta anos e assumiu a tristeza de não ter um filho”, de uma anã e do seu filho “Num pequeno povo do interior, vivia uma anã de quem todos se apiedavam”, da Maria e da Isaura “A mãe da mulher enjeitada acordou um dia e falou como se fosse francesa”, o homem maricas “Muitos anos passados, apareceu por ali um homem maricas que vinha ver a Isaura de longe, dizer-lhe bom dia e a sorrir”… entre outras belas personagens que somos presenteados durante as 252 páginas do livro.

É um livro que, apesar de ter um estilo muito próprio, remete-nos a uma leitura simples, com mensagens bem trabalhadas e ideias profundas em muitos dos episódios. São algumas horas que valem muito a pena!

É possível ver mais alguns trabalhos do autor na sua página oficial em www.valterhugomae.com.

Boas leituras,

Daniel Bento

Daniela Filipe Bento
Escrito por Daniela Filipe Bento Seguir
escreve sobre género, sexualidade, saúde mental e justiça social, activista anarco/transfeminista radical, engenheira e estudante de astrofísica