- A sua pergunta, Senhor Juiz de Instrução, a inquirir se sou pintor de prédios... aliás, o senhor não me perguntou nada, atirou-me essa declaração... é reveladora do conjunto do processo intentado contra mim. Pode objectar que não se trata de modo nenhum de um processo judicial, e tem inteiramente razão, porque não se trata de um processo judicial, salvo se eu lhe reconhecer essa qualidade. Ora, reconheço-a neste instante, por compaixão, por assim dizer.(...) - Joseph K. em O Processo.

Um romance do passado, uma visão do futuro, uma vida do presente, 1984 é um conjunto de metáforas, existências, realidades, argumentos e contra argumentos, ideias, amigos e inimigos. A beleza de 1984 não está nas palavras, está na consequência da sua leitura.

Na verdade nunca tinha imaginado o pai como agora o via; nos últimos tempos, de resto, o novo hábito de rastejar por todo o quarto levara-o a descurar a atenção aos acontecimentos no resto do apartamento e já deveria estar preparado para encontrar algumas mudanças. E porém, e porém, aquele homem seria ainda o pai? O mesmo homem que ficava na cama cansado como morto quando Gregor partia (...) - A Metamorfose, Franz Kafka.

A professora de piano Erika Kohut entra como um furacão na casa que partilha com a mãe. A mãe gosta de chamar a Erika o seu pequeno tufão, pois a menina consegue às vezes ser tão rápida como um furão. Fugir à mãe é a motivação. Erika vai a caminho do fim dos trinta. No que respeita à idade, a mãe bem poderia ser sua avó. - A Pianista, Elfriede Jelinek

desorientado por vocação, acordava cedo para ter mais tempo de não fazer nada, e alimentava a obsessão de vir a ter um jipe americano GrandCherokee, os amigos batizaram-no "Ciente do GrandCheroke" e rapidamente foi abreviado para CienteDoGrã - em Os Transparentes, Ondjaki