Construir uma identidade e coexistir com a mesma é um exercício contínuo e exigente. O auto conhecimento é uma peça fundamental para explorarmos todas as nossas potencialidades nas demais aéreas. No entanto, e de uma forma pessoal, entendo que esta evolução só se torna proeminente quando estabelecemos laços, ou não, com a sociedade que nos rodeia. A nossa identidade ganha forma quando é espelhada para o mundo, a menos que fiquemos inteiramente no nosso interior, o que é possível... mas doloroso - sejamos nós quem e de que forma formos.

Eu gosto. Eu sinto. Estas são duas frases que emprego frequentemente. Na minha visão são fortes e contêm um significado bastante profundo. Gostar ou sentir é emocional e, como tal, para mim é difícil racionalizar, ainda que possa tentar explicar, ainda que possa tentar exprimir. Sentir é interior a mim, gostar extende o sentir. É algo primário, antevem qualquer espécie de pensamento racional, construído. Ainda que seja básico.