O dia 15 de Fevereiro de 2013 foi um grande dia para os astrónomos e público em geral. Já há um ano que andava a ser observado, mas foi nesta data que o asteróide - com o nome 2012DA14 - mais se aproximou da Terra, passando no interior das órbitas dos nossos satélites artificiais geoestacionários (sem perigo nenhum). Foi com grande espectativa que todo o mundo quis seguir a sua passagem, visível em praticamente todo o mundo. Organizaram-se uma série de eventos em diversos sítios, o Observatório Astronómico de Lisboa (OAL) não foi excepção.

Porém, por enorme coincidência, pela mesma manhã, um meteoro enrompeu pela atmosfera e um meteorito caiu em sólo Russo. Foi um espectáculo fenomenal de ver, apesar dos muitos feridos que houveram. Por momentos, o 2012DA14 perdeu toda a sua importância, perdeu todo o seu estatuto de rocha perigosa e os olhos ficaram postos na Rússia, esperando mais novidades. Outros meteoros talvez?

Com tudo isto, o OAL foi palco de uma palestra sobre asteróides e meteoróides, meteoros e meteoritos. Muitas pessoas aproveitaram para tirar as suas dúvidas, nomeadamente sobre o perigo apresentado por estes objectos e mesmo mostrar a sua insatisfação pelo trabalho científico ao não prever estes acontecimentos mais cedo.

Ainda assim, aproveitei para praticar um pouco da minha astrofotografia, como não consegui registar o asteróide ou, pelo menos até agora, não o consegui visualizar no pós-processamento das fotografias, deixo aqui dois registos que fiz apenas com a máquina fotográfica, sem telescópio para auxiliar.

Nebulosa de Orion @ 15 de Fevereiro 2013

Nebulosa M42 @ Observatório Astronómico de Lisboa

Lua @ 15 de Fevereiro 2013

Lua @ Observatório Astronómico de Lisboa

Daniel Bento

Ano 2019, em revisão...

Com o fim do ano vêm **momentos de reflexão e balanço** do que foi o ano que passou. Escrevia o ano passado, no primeiro dia de janeiro:>...… Continue reading

A luz

Published on December 17, 2018

Eram uns dias de sol...

Published on November 16, 2018