October 07, 2014

Já alguma vez na vida se questionaram sobre quem são, de onde vêm, porque existem ou porque o mundo acontece como acontece? Desde criança que tenho tendência a fazer perguntas um pouco existencialistas. Por vezes isso reflete-se nos meus textos, na minha expressão e na minha pessoa. Porém, nem tudo é um mar de rosas. Ser existencialista também traz as suas consequências, mais ou menos graves.

Cresci e sou o que sou hoje devido a um conjunto de ideias e acontecimentos que me envolveram e envolvem. Mas, como se isto não chegasse, sinto-me um pouco mais do que aquilo que socialmente sou. Sinto-me um pouco mais que eu próprio, não na medida do melhor, mas na medida do individuo. A questão é essa, sentir mais. Sinto que devo escrever esta pequena reflexão, por acreditar naqueles que se questionam. Pode ser que, positivamente, este seja um texto para quem o lê.

Acordar de manhã e não saber quem se é, pode ser cruel. Perguntarmo-nos constantemente sobre a imagem que devolvemos ao mundo leva uma pessoa à loucura. Sentir permanentemente a dúvida de uma felicidade perdida é triste. Anteontem, publiquei umas fotografias de um concurso para o qual participei há cerca de um ano (relacionado com a Igualdade de Género). Ainda não tinha tido coragem de as publicar, não porque tenham alguma coisa de errado e/ou especial, mas porque há muito de pessoal nelas.

Podemos pensar em uma situação simples: viver-se como qualquer pessoa, sentindo-se acarinhado e ver que para alguns existem outras pessoas que são uma aberração; e ao mesmo tempo, sentir-se como uma aberração e ver em toda a gente a perfeição de pessoa. São duas imagens em simultâneo, duas vivências não compatíveis e destrutivas. Durante muitos anos vivi neste campo, com um mais sentir, que me fazia menos viver. Existe uma altura que decidimos…ser felizes.

Se me perguntarem se gosto de ser quem sou, digo que sim. No entanto, se constatarem o que vêm em mim, não consigo reagir. Simples, não me consigo sentir identificado com o meu semelhante. Chama-se a isto, classicamente, disforia de identidade de género. Não tem a ver com as pessoas que gostamos, tem a ver com a pessoa que gostamos em nós, com a pessoa que sentimos em nós. Ou seja, se quiser colocar as coisas de uma forma sintetizada, neste momento, encaixo-me naquilo a que cientificamente se define como genderqueer ou, género não binário. Isto é, não tenho particular identificação com o género masculino (por ser o meu género biológico). Sou um “cinza” entre o preto e o branco. Agora, qual é a luminosidade? Preciso descobrir em concreto e é isso que neste momento procuro fazer.

Voltando a fazer outra pergunta, sinto-me um rapaz? Não totalmente. Então és uma rapariga? Não totalmente. És indeciso e não sabes o que queres? Talvez, mas também existem convenções sociais, no ambiente em que crescemos, nas expectativas que se criam sobre nós e o que representamos para as pessoas. Ou a pergunta típica, mas dizes isso porque não sabes se gostas de raparigas? Não, a minha orientação sexual não está relacionada com isso. Se gosto de raparigas? Sim. Se gosto de rapazes? Sim. Porém, a pergunta que a mim me faz sentido é, gostas de pessoas? Sim, de pessoas, independentemente da imagem que tenho delas. Isso é possível? É, eu existo.

A questão verdadeira é outra. Eu vejo-me ao espelho diariamente, vejo-me e revejo-me. Aquilo que eu vejo é completamente distinto do que na generalidade as pessoas vêm em mim. Mas este espelho não é só um espelho visual (de casa de banho), é um espelho da alma. É no fundo desse sentir que está a diferença. Neste momento é bom, mas já me causou muitas dificuldades, bastantes. A falta de autoestima, o não reconhecimento de mim mesmo, a incapacidade de me sentir semelhante a outros rapazes. O sentir que é preciso “fazer de conta” todos os dias e limitar a minha existência. É tortura, é crueldade.

Nos últimos tempos tenho feito mudanças, sobretudo superficialmente, a imagem. Não sou outra pessoa, sou eu mesmo, mas numa versão melhor, mais completo. Conseguindo-me definir pela própria não definição e não pela exigência social. O mundo pode ser cruel, pode bloquear os cinzentos. Mas é mais infeliz viver no preto ou no branco quando não estamos lá. Neste momento acredito que ser feliz é mais importante que a convenção. Ser feliz é amar-me a mim mesmo e ser capaz de amar.

No meu sentir, ser transgénero não é só a imagem, a roupa, a formalidade, os movimentos, a postura. Também não é apenas uma questão de ter ou não genitália feminina ou masculina. Também não é apenas uma questão de ser ou não parecido com determinado género. Mais do que isso, é ter uma alma em profundidade, sentir para além do que o nosso corpo consegue transmitir. Sentir que este corpo não chega para o expressar. É sentir-se incompleto constantemente, é ter necessidade de conseguir uma identificação. É sentir que o amor não chega do mesmo modo, porque não somos um todo, somos apenas a parte.

Não acredito num mundo dividido em dois, acredito num mundo em que cada pessoa é. No entanto somos espelhos da sociedade, espelhos e reflexos das pessoas que nos rodeiam. Somos as expectativas, as derrotas e as vitórias. Mas mais do que isso, é preciso sermos nós. Mais do que isso é preciso sentir que sentimos. É preciso sentir que o nosso amar é verdadeiro e, mais do que verdadeiro, corresponde-nos.

No fim, resta-me dizer, que não virei o meu mundo ao contrário, não atirei tudo ao ar, não desisti pela desilusão. O que eu fiz foi deixar-me ser. Permitir-me viver na mesma medida em que sinto. É isso que interessa. É isso que é importante. As questões são importantes, levam-nos a conhecermo-nos melhor. São fundamentais. As respostas por vezes são surpreendentes e, quando a auto estima melhora, quando a coragem cresce, quando se sente realmente parte do mundo, ou a caminhar para lá, tudo se torna possível. Porque na realidade é. A tipificação é algo feito para quem quer tipificar. No fundo, somos pessoas, somos seres. Somos uniões e não fragmentações.

Por dias mais brilhantes, por dias mais luminosos. Eu acredito, porque o meu dia hoje brilha mais, amanhã ainda mais. Ser feliz.

Dani

Ano 2019, em revisão...

Com o fim do ano vêm **momentos de reflexão e balanço** do que foi o ano que passou. Escrevia o ano passado, no primeiro dia de janeiro:>...… Continue reading

A luz

Published on December 17, 2018

Eram uns dias de sol...

Published on November 16, 2018