Atualmente, a importância que a ciência tem num país assume proporções gigantescas que resultam numa competição constante entre estes. Talvez, mais do que nunca, existem pessoas formadas na área científica. Refiro-me à mesma pelo facto de que, eu próprio, estou em ciências. Porém, não é demais dizer que, por vezes, sinto que esta batalha é estranha e cansativa.

Seja o Homem o Ser, seja o Homem o Observado, seja o Homem o Vivenciado. Este, na sua visão o mundo constrói, na sua visão o mundo evoluí. A realidade é, então, a combinação de todos os homens observados.

O Gosto, o Amor, a Felicidade. Conceitos, conversas, pensamentos, teorias... porém, em nada isto significa sem o ser que a estes são dirigidos. O preenchimento da existência, a tentativa de ser pelo conceito na incerteza de realizar.

desorientado por vocação, acordava cedo para ter mais tempo de não fazer nada, e alimentava a obsessão de vir a ter um jipe americano GrandCherokee, os amigos batizaram-no "Ciente do GrandCheroke" e rapidamente foi abreviado para CienteDoGrã - em Os Transparentes, Ondjaki

"O menino era tão pálido que fazia lembrar um fantasma. Um espectro. Algo insubstancial que se desvaneceria. Era pequeno para nove anos, magro e de estrutura delicada. O seu cabelo era pálido como o luar, muito fino, muito liso. A sua pele era leitosa com um aspecto translúcido, como cera. Essa coloração significava que à distância ele parecia não ter sobrancelhas e pestanas, e isso apenas enfatizava a sua aparência efémera" - in Vozes Silenciosas, Torey Hayden