Há alguns anos atrás, admirava um quadro que, para muitos, não dizia nada. Lembro-me dos meus colegas me perguntarem porque gostava eu daquele quadro. Não sabia responder, simplesmente respondia que gostava. Era uma questão interior. Mais tarde, em conversas com colegas de trabalho descobri que o quadro que gostava era de um reconhecido pintor, Jackson Pollock (1912-1956) (agradeço ao Mário pela referência). Pouco ou nada sabia de arte e, ainda hoje pouco ou nada sei. Vejo, gosto, aprecio, ou não gosto e não aprecio. Tento entender do meu modo, ler do meu modo. Não estou (ainda) muito ocorrente das várias correntes artísticas dos anos que se passaram. Todos ouvimos falar do surrealismo (Paul Delvaux), do cubismo (Picasso), impressionismo (Salvador Dalí), entre muitos outras correntes que poderia continuar a exemplificar…

Pollock - Number One (1948) Pollock - Number One (1948) from terraingallery

Durante estes anos apenas contemplava algumas imagens que iria vendo pela Internet e, como é possível verificar, ainda é tema de algumas notícias (ver aqui). Ontem, após ter descoberto que existia um filme biográfico da vida de Pollock achei que seria interessante ver, pois existem várias questões que se levantam ainda em relação à vida de Pollock, o seu alcoolismo, a personalidade volátil (estudos recentes indicam que poderá ter sofrido de depressão bipolar). O filme tem o seu nome e pode ser consultado (aqui). O meu objectivo não era referir muitos detalhes do filme, dado que estes estão presentes nas várias páginas sobre o artista.

Pollock praticava aquilo a que se chama _expressionismo abstracto _e usava uma técnica chamada _drip, _estas técnicas estão, possivelmente, na origem daquilo que se chama pintura de acção. O resultado é simplesmente fenomenal… ou para mim, é.

Porém, existem várias mensagens no filme (tiradas de referências reais ao próprio artista) que me chamaram a atenção. Aquilo que é a própria definição de arte. O que faz a arte, o que representa, qual a fonte de inspiração, a que podemos chamar arte? É muito comum nós dizermos que todos temos um pouco de artistas, é verdade. Todos somos criativos (eu próprio falei do assunto aqui). Pergunto-me entre as várias formas de arte que genericamente categorizamos, pintura, música, literatura, escultura (para referir as principais), o que entendemos como peça de arte? De onde vem essa peça? Qual o motivo?

A quantidade de estudos na área da psicologia (entre outras áreas) é surpreendente. O que leva alguém a ser de facto, um artista. Por exemplo, eu faço fotografia (não me considero um fotógrafo). Que mensagem quero passar? Ou será que quero que sejam as pessoas a entender uma mensagem? Devo dirigir as pessoas ao meu pensamento? Ou devo deixar o caminho livre?

Dito isto, o que leva a distinguir o “artista que todos nós somos”, do artista que marca a diferença numa época. Muitas vezes, estas peças têm valor pela revolução que fizeram, o estilo, a técnica. No entanto, quantas peças têm valor pelo verdadeiro significado? Procuramos uma explicação explicita para cada traço de uma pintura (no caso de Pollock existem matemáticos que referem um elevado conhecimento da Teoria do Caos, desenhando estruturas fractal nas suas pinturas, noutros artistas fazem-se ilações sobre o comportamento e modo de pensar do autor). Será que é esse o objectivo da arte? Ser dissecada? Ser entendida até ao último átomo que a compõe… na realidade isso alguma vez será possível? Quando se produz, as ideias são muitas… a influência exterior é grande e interior também.

Acredito que na arte, está o valor de conhecer o mundo, a arte expressa significativamente a diferença entre cada um de nós. A arte é um refúgio para muitos, o enterrar de sentimentos, para outros o nascer de novos sentimentos. É sintonia perfeita (talvez noutro artigo, se for do interesse, tentarei oferecer um pouco mais da minha visão).

Pergunto-me no fim… com aquela dúvida…

Afinal… o que significa arte!

A plataforma Artsy.net tem uma página oficial dedicada só a Pollock onde é possível encontrar vários quadros deste famoso pintor Artsy’s Official Pollock Page.

Daniel Bento

PS: A generalidade dos links para a Wikipédia são para a versão portuguesa. Na versão inglesa encontra-se, tipicamente, mais informação.

Ano 2019, em revisão...

Com o fim do ano vêm **momentos de reflexão e balanço** do que foi o ano que passou. Escrevia o ano passado, no primeiro dia de janeiro:>...… Continue reading

A luz

Published on December 17, 2018

Eram uns dias de sol...

Published on November 16, 2018