November 13, 2019

As noites. As noites, as manhãs e as tardes. Mas as noites, o entardecer, o anoitecer. Tudo parece um pouco mais lento. Tudo parece se estar a preparar para uma noite de descanso. Exceto eu. Olho para a janela, olho as estrelas numa noite cheia de nuvens, olho para a Lua quando ela se esconde por entre as árvores. A minha mente salta entre as estrelas e a Lua. Salta entre a escuridão e a pequena luz que ilumina a minha sala. Salta entre a terra e o céu. A minha mente salta. Por entre as folhas das árvores, os meus pensamentos fogem e entorpecem a minha capacidade de estar consciente. A minha mente continua a saltar.

A noite

O Sol esconde-se e as imagens aparecem, o cansaço apodera-se de mim, a tristeza embrulha-se no meu coração. O Sol esconde-se e tudo parece escuro, tudo está escuro… lá fora e cá dentro. Lá fora, do corpo, cá dentro, da mente. Depois de um dia a tentar fazer pequenas tarefas para exercitar o meu corpo a reagir, a tentar ler algumas notícias para tentar treinar a leitura, a tentar escrever para melhorar o pensamento, os pensamentos em corrida aparecem, atropelam-se, consomem o resto das minhas energias. São poucas.

O meu corpo cai, não se deixa cair. Resiste. A mente segue a uma velocidade difícil de acompanhar misturada com períodos de ausência, de vazio. As memórias, as vivências, as preocupações… tudo o que é possível e impossível imaginar aparece. Deixa o seu rasto de tormento, deixa o seu rasto de dor. Um rasto que dura e perdura… um rasto que fica. Um rasto que me acompanha noite dentro. Seria mais fácil dormir, dormir logo… deitar e esconder-me debaixo dos lençóis. Dormir logo… vencida pelo cansaço e pela medicação.

Sempre adorei a noite, foi sempre neste período que fiz as minhas produções extra escola, extra trabalho. Foi sempre neste período que ativamente estava e vivenciava a felicidade. Foi sempre um período criativo, um período de reflexão do dia. Hoje? Um suplício. Uma eterna vontade de que não existisse noites ou, então, que o dormir durasse para sempre. Sem acordar não posso vivenciar a noite… logo, teria vantagens.

A noite angústia-me
A noite amedronta-me
A noite provoca-me
A noite entristece-me
A noite perdura…

Olho lá para fora, pouco vejo, nem a mim própria.
Olho lá para fora, só a sombra da noite.
Olho lá para fora, só a Lua e as estrelas.

Cansada, é neste momento que tudo vacila, tudo parece não ter alicerces, tudo parece volátil.
Cansada, é neste momento que a fragilidade mais aparece.

A música acompanha-me e marca o passo. É assim que deixo o tempo passar, é assim que deixo o tempo marcar o seu ritmo, é assim que contabilizo quantos minutos faltam. Minutos que faltam para adormecer e deixar-me levar pelas ondas e pelas marés. Minutos que faltam para acordar e deixar-me chegar pelo vento e pelos tornados.

Minuto a minuto, a inocência de quem só quer paz.
Minuto a minuto, a resiliência de quem procura não desaparecer a cada noite.
Minuto a minuto, a resistência de existir num limbo entre a realidade e o sonho.

As noites. As noites, as manhãs e as tardes. Mas as noites, o entardecer, o anoitecer. Tudo parece um pouco mais lento.

Exceto eu.

Dani

Imagem: Full moon with beginning of penumbral lunar eclipse - Ilona L

Estados Limítrofes

Estamos nos primeiros dias de julho e muito aconteceu nos últimos meses. Meses que foram ricos em sensações, em reflexões, em momentos de...… Continue reading

51 Anos de Stonewall

Published on June 28, 2020

Adormeço

Published on April 25, 2020